top of page
Buscar
  • Foto do escritorAraken Busto

Uma nova série de postagens abordando o tema "Saúde e Manutenção de Instrumentos Musicais" - Parte 1

Atualizado: 19 de jun. de 2022

A partir de agora, inicio uma série super especial contando um pouco da minha história como técnico e a forte conexão que existe entre meu trabalho e a manutenção de instrumentos musicais a serviço da saúde do Músico.

Iniciei escrevendo um curto Post mas, quando vi a importância do conteúdo decidi fazer uma série de postagens e aqui vai a primeira parte:


Ao longo de mais de 30 anos de trabalho com a música, venho falando desde o princípio sobre a importância da manutenção em instrumentos musicais. Meu trabalho nesta área foi significativamente ampliado após iniciar meu ciclo de viagens a diferentes cidades, estados e países pelo mundo.


Tive a oportunidade de acompanhar de perto, diversas características regionais, tais como, diferentes culturas, educação, regiões mais frias e mais quentes, úmidas ou secas, etc.


Todas estas particularidades impactam diretamente no estado de conservação dos instrumentos musicais, pois um local mais úmido e quente, é mais propício ao desenvolvimento de fungos e bactérias do que um clima mais frio ou seco.


Antes de abordar o assunto, gostaria de contar como foi minha primeira experiência com a manutenção que, de uma forma muito diferente, iria mudar minha vida profissional.

O INÍCIO


Quando eu era pequeno, na década de 80, meu pai Antônio Busto tinha muito carinho pela música, apesar de tocar pouco seu violão e bandolim, seu amor pela música era imenso e por isto, decidiu que incluiria a música na vida dos filhos.


Iniciou então uma jornada de compra de instrumentos de segunda mão para ver se eu e meu irmão mais velho, sentíamos uma atração e conexão por algum deles. Lembro-me que ele comprou acordeom, gaita de boca (harmônica), violino, trombone, trompete, flauta transversal, entre outros.

Com pouco conhecimento na área musical, meu pai comprava um instrumento e colocava nas mãos de meu irmão mais velho e depois em minhas mãos e pedia para que eu tentasse emitir um som no instrumento e perguntava se nós gostávamos do instrumento. Assim, foram passando os instrumentos por nossas mãos. Meu pai e meu irmão mais velho já haviam se decidido pelo violino e começaram a estudar em uma escola de música evangélica.


O SUSTO

Eu ainda estava em dúvidas e não havia me decidido até aquele momento. No entanto, algo que iria mudar minha vida aconteceu: um primo meu que já estava estudando música, decidiu tocar bombardino e meu tio comprou para ele um bombardino Armando Wengril de segunda mão, o instrumento estava em bom estado, porém parado há muito tempo.

Quando meu primo tentava tocar o instrumento, ele sentia que o ar não passava bem e que algo fazia cócegas em seus lábios quando tocava. O professor disse que provavelmente seria por não estar acostumado a fazer os lábios vibrarem, mas no segundo dia tentando emitir um som, quando meu primo novamente teve a sensação nos lábios, rapidamente tirou a boca do instrumento e então caiu sobre ele uma BARATA!

O susto e a sensação de nojo foi tão grande que ele quase abandonou a música e não queria nem ver o instrumento em sua frente. Foi aí que meu tio falou com meu pai comentando o ocorrido e decidiram levar o instrumento para um profissional higienizá-lo, para em seguida, eu poder prová-lo também.

No entanto, meu pai viu uma oportunidade e levou o instrumento para nossa casa, porém me advertiu para não tocar no instrumento até que fosse levado a um técnico para poder fazer a limpeza interna. Nesta época as coisas eram muito difíceis e encontrar um técnico de instrumentos musicais era uma verdadeira penitência, além do custo para esse trabalho. Foi então, que meu espírito aventureiro e minhas habilidades mecânicas entraram em ação, pois eu tinha apenas 9 anos de idade, porém, montava e desmontava uma bicicleta até o ultimo parafuso sem nenhuma dificuldade.


O INÍCIO DA PRÁTICA

Meu pai saía para trabalhar muito cedo e quando chegou em casa ao meio-dia, eu já havia desmontado todo o instrumento, separado cada peça, soltado as bombas que estavam emperradas por não serem utilizadas há meses e toda a máquina de pistão estava dentro de uma bacia com água e sabão, além do corpo do instrumento estar dentro do tanque de lavar roupa com muita água e sabão também.


Meu pai levou um grande susto em ver tantas peças pequenas no quintal todas organizadas e uma grande parte já limpa com álcool e outros produtos de limpeza. Ele veio diretamente para me dar uma grande bronca, mas antes que ele abrisse a boca eu sorri e disse a ele que não se preocupasse porque eu sabia o que estava fazendo.


Terminei de lavar e montar todo o instrumento para ter certeza que não havia nenhum ser vivente ali dentro e que pudesse ter uma desagradável surpresa, e esta foi minha primeira experiência com um instrumento de sopro de metal.

Isto mudou a minha concepção sobre manutenção pois, toquei este instrumento por vários anos, acho que por 5 anos e todas as vezes em que eu tocava, me lembrava deste episódio da barata e confirmava para ver se o instrumento estava limpo. Cuidei dele tão bem que meus amigos da escola de música queriam saber porque meu instrumento sempre funcionava perfeitamente e os instrumentos deles que em muitos casos eram completamente novos, não funcionavam e nem soavam como o meu.

Desta forma, já com meus 13 ou 14 anos, comecei a fazer manutenção nos instrumentos dos meus amigos, tais como, trompetes, trombones, bombardinos e tubas.


Nunca pensei que uma barata pudesse mudar tanto o rumo de minha vida e, desde então, a manutenção do instrumento sempre veio em primeiro lugar para mim.

O mais interessante durante este processo foi que consegui compreender que os instrumentos com boa manutenção funcionavam sonoramente melhor que os mesmos modelos de instrumentos, porém, em mau estado de conservação e manutenção.

Por este motivo, me especializei em “personalizar” instrumentos de metal. Eu trocava minhas tubas com outros músicos, recebendo um valor em troca, desmontava estes instrumentos, alinhava a máquina de pistão milimetricamente e com alguns truques que aprendi durante todo este processo, liberava o estres do metal, fazendo com que o instrumento tocasse mais fácil, mais afinado e com mais harmônicos.


Desta forma tão peculiar eu tive mais de 30 tubas durante minha vida musical, pois trocava, comprava e vendia estes instrumentos e utilizava a manutenção preventiva como ferramenta de trabalho.


CONTINUA!



118 visualizações6 comentários

Posts recentes

Ver tudo

6 Comments

Rated 0 out of 5 stars.
No ratings yet

Add a rating
Adriano Pessoa
Adriano Pessoa
Oct 22, 2021

Que bela história 👏👏👏👏, muito obrigado por vc compartilhar suas histórias e experiências... 🙏🙏🙏

Like
Araken Busto
Araken Busto
Oct 22, 2021
Replying to

Muito obrigado meu caro!!!!

um grande abraço!!!

na Segunda feira temos mais.

Like

smmsopros
smmsopros
Oct 21, 2021

Grande Araken, sempre buscando se aperfeiçoar mais e mais... Parabéns pelo belo trabalho que vem desenvolvendo na área de manutenção e lutheria de sopros! Obrigado por compartilhar conosco informações tão importantes. De seu pupilo Frederico Jofrei.

Like
Araken Busto
Araken Busto
Oct 22, 2021
Replying to

Olá Mue caro Jofrei,

Muito obrigado por suas palavras e pelo carinho.

Um forte abraço e até a próxima postagem!!!

Like

Dimas Renato Garro
Dimas Renato Garro
Oct 20, 2021

Muito bom meu amigo, parabéns, seu blog está cada vez melhor e as Histórias são muito boas!!!! Muito obrigado por compartilhar conosco!

Like
Araken Busto
Araken Busto
Oct 20, 2021
Replying to

Grato Meu caro Dimas,

Fico muito feliz que tenha gostado e muito em breve postarei a segunda parte.

Um fote abraço!!!

Like
Âncora 1
bottom of page